Seja egoísta hoje mesmo e aprenda a viver melhor!

Categorias Espiritualidade, Saúde0 comentário
Seja egoísta e aprenda a viver melhor

Você leu o título corretamente: hoje vamos entender por qual motivo devemos ser mais egoístas. Tenho certeza que muitas pessoas vão se sentir incomodados com essa questão.

Notei que pessoas que se dizem focadas em ter mais consciência e compaixão são as que mais tem problemas em trabalhar o egoísmo. O estranho é que a palavra, por si só, não tem um sentido nem um pouco conotativo.

Egoísmo significa ver o mundo pelo seu próprio ponto de vista e interesse. E para começarmos o artigo com uma simples pergunta: quem disse que o seu ponto de vista é ruim?

Politicamente correto: a receita do fracasso

Com a crescente rede de informações e acesso ao conhecimento, questões polêmicas tem vindo à tona, causando manifestações de interesses divergentes. Sem entrar no mérito de certo e errado, precisamos pensar significativamente se assumimos aquela posição porque ela é legítima e boa ou porque um “cidadão de bem” pensa daquela forma.

Nós pensamos ou somos pensados?

Adotamos uma opinião porque queremos ficar bem na fita ou porque realmente acreditamos que aquilo vai contribuir para o crescimento próprio e da sociedade?

O politicamente correto deixa muitas pessoas “bem na fita” em termos sociais. As intocadas, justas e honestas. Mas pode criar verdadeiros monstrinhos ao decorrer do tempo. Isso se dá porque acabamos nos traindo para tentar cumprir um papel quando ele vai contra nossa real crença ou intuição.

À medida que não cumprimos o básico para nós mesmos, começamos a enfrentar verdadeiros problemas de irritabilidade, desconcentração e raiva. Falta paciência e tolerância. Acredite: é muito mais comum do que você imagina.

Pessoas que tem muitos amigos, comunidades de interesses em comum, colegas próximos de trabalho, podem chegar em casa e adotarem uma postura muito divergente da amistosa que prega no ciclo social. Isso se dá a niveis conscientes e inconscientes.

A busca da aceitação

Quando precisamos da aceitação do próximo para nos estabelecermos, criamos uma dependência tóxica de terceiros e vivemos em constante conflito a nível individual.

Essas pessoas, normalmente com uma baixa auto estima, acabam se tornando adeptas do politicamente correto e adotando posturas que vão contra suas reais necessidades. Um exemplo clássico é o jovem que quer trabalhar, estudar, fazer trabalhos sociais, praticar esportes e, por exemplo, empreender com os amigos.

Parece muito lindo ter um filho, amigo, colega ou até mesmo parceiro com tamanha garra para realizar as coisas. Todavia, olhando em níveis pessoais, a pessoa está “quebrada” internamente. Se ela demora 4 horas por dia de semana para estudar, pelo menos 6 horas por dia útil para executar seu estágio e mais 1 hora de atividade física, somente sobram 13 horas para as outras tarefas.

Esse rapaz precisa estudar nos finais de semana para ir bem na faculdade, tem que reunir com os amigos e, claro, buscar inovações para empreender. Faltou falar do trabalho social aos domingos, e de quebra um almoço na casa da família para confraternizar.

Ah, claro, ele dorme. Mas devido à quantidade de coisas a fazer, somente restam 6 horas de sono por noite. Sabemos que uma noite de sono mal dormido, seja por questões de ansiedade ou agitação, causa distúrbios físicos e psicológicos.

O rapaz, que é tão querido entre os amigos, familiares e bem visto por seu esforço e dedicação em causas sociais, começa a ficar irritadiço, impaciente, sem tempo para analisar seus impulsos e se torna completamente reativo.

Essa reação pode causar um acúmulo de raiva e tristeza internas, que causam um sentido de perda de propósito de vida. E o politicamente correto? Ele continua cumprindo (e muito bem) as funções sociais!

…Mas se esquece de cuidar de si. Quando uma máquina funciona a todo vapor sem manutenção recorrente, há falha de engrenagem e a coisa desanda até o processo quebrar.

Você precisa ser egoísta agora

Se preocupar com o externo, como a aparência frente à terceiros, tira o centro de atenção das nossas próprias necessidades. E se não damos ouvidos às nossas emoções descontroladas, podemos até notar comprometimento físico do corpo.

É por isso que o egoísmo é tão essencial para o ser humano. Estamos acostumados à associar a palavra a um cunho negativo, sendo esse um dos extremos negativos que temos sim que evitar. Mas isso não significa que precisamos correr para o outro oposto de abnegação em prol de outros.

Nossa função principal, enquanto vivos, é garantir nossa própria sobrevivência, equilíbrio e necessidades físicas, emocionais, mentais e espirituais. Se algum desses pontoos está fragilizados, provavelmente ainda não estamos prontos para nos doar pelos outros.

O papel da religião

Apesar de trazer vários pontos positivos, como o alimento da alma, a religião pode distorcer a necessidade do homem. Isso acontece quando prega-se a culpa por não dar a devida atenção ao próximo.

Se o salário que você recebe está recebendo é o limite para pagar as contas de suas necessidades básicas e de sua família, não tem que doar o que você não tem sequer para si. O mesmo vale para questões emocionais. Se você está frágil emocionalmente, não pense que é saudável consolar um amigo ou colega quando ele precisa.

Precisamos nos tornar melhores embaixadores de nossas intenções.

Nesses momentos, é melhor explicar que momentâneamente não vamos atender às demandas alheias para prover uma atenção mais dedicada posteriormente. Isso se aplica em ajudas pessoais, financeiras, emocionais e profissionais!

Isso não é motivo para se sentir pecador ou culpado. Precisamos antes cuidar do nosso templo, do nosso interior, para depois partir para o exterior. Essa é uma regra fundamental da lição de Cristo.

Se você quer saber mais sobre a necessidade de ser egoísta, assista o vídeo abaixo. Não confunda o cuidado com si próprio e autopreservação com amor. Essa diferença é crucial para colocar em prática uma vida consciente. Para saber mais, leia sobre o que é o amor.

Fonte: School of Life

Analista internacional, designer, estudante (sempre!) da conscienciologia e projeciologia e terapeuta Reikiana. Acredito que podemos criar um mundo mais humano e amoroso, se trouxermos essa mudança para o âmbito pessoal.