A importância científica do relaxamento: as ondas cerebrais

Categorias Blog, Espiritualidade, Saúde0 comentário

Ondas Beta: É o estado de vigília, leitura, concentração, solução de problemas, entre outros. É o momento em que nos encontramos com o máximo da mente consciente, sendo que as ondas Beta tem uma frequência de 13 ou mais ciclos por segundos (Hertz). Quando estamos nervosos, ansiosos, estressados ou com medo, essa  frequência pode aumentar até 60 ciclos por segundo. Esse estado é responsável pelas respostas cardíacas e sanguíneas, e alterações constantes da frequência podem causar disfunções nesses sistemas do corpo, tais como insônia, hipertensão, pânico, fobias, processos degenerativos, etc.

Ondas cerebrais em Hertz
Ondas cerebrais em Hertz

Ondas Alpha: É estado de relaxamento, geralmente alcançado pela meditação leve comum. As ondas vão de 7 a 12 Hertz, sendo muito estáveis e rítmicas. É comum durante o sono e podem ser  usadas para reorganizar as ondas Beta. Apesar disso, a mente não está mais fraca ou passiva; na verdade, estamos serenos e alertas.

O lóbulo frontão recebe informações de sentidos que coordenam estímulos e é equilibrado pelas ondas Alpha. Por isso, o sono e a meditação são tão importantes para nós. Não é à toa que, quando sofremos de falta de sono, ativamos o modo reativo, ou, em outras palavras, o lado animalesco, por o stress proporciona o downshifting, fazendo com que o sistema sensorial do cérebro interaja apenas com o sistema motor.

Ondas Theta: Na meditação profunda Alpha são transformadas em ondas mais lentas e poderosas, de ritmo Theta, com frequências entre 4 e 7 ciclos por segundo. É o estado da hipnose e do transe, em que, apesar da sonolência, ainda há concentração. Enquanto estamos no estado Theta, sofremos de insights e liberação de endorfina e dopamina. Nesse estados, sofremos desligamentos do corpo, bem como projeções lúcidas e reequilíbrio energético.

Ondas Delta: São períodos do sono profundo sem sonhos, cujas frequências são entre 0,1 e 4 ciclos por segundo. Nesse período, o corpo gera o hormônio HGH do crescimento. É essa a meta do Yoga.

Analista internacional, designer, estudante (sempre!) da conscienciologia e projeciologia e terapeuta Reikiana. Acredito que podemos criar um mundo mais humano e amoroso, se trouxermos essa mudança para o âmbito pessoal.